15 previsões de Bill Gates de 20 anos atrás que se tornaram realidade

15 previsões de Bill Gates de 20 anos atrás que se tornaram realidade

As hipóteses estão no livro “A empresa na velocidade do pensamento”, lançado pela Companhia das Letras

Em 1999, Bill Gates escreveu um livro intitulado “Business @ the Speed of Thought”. No Brasil, ele foi publicado pela Companhia das Letras com o título “A empresa na velocidade do pensamento”
No livro, Gates fez 15 previsões tão ousadas para a época que poderiam ser consideradas ultrajantes. Veja, a seguir, quais foram as previsões feitas há 20 anos — e o quão perto elas chegaram da realidade.

1. Sites de comparação de preços

Previsão: “Serviços de comparação automática de preços serão desenvolvidos. Com eles, será possível ver os preços em vários sites, o que vai tornar mais fácil encontrar os melhores preços em todo tipo de indústria.”

O que existe hoje: é possível pesquisar produtos em diversos sites para obter os melhores preços. Endereços como Kayak e Expedia ajudam a encontrar voos mais baratos, enquanto o Google Shopping e o Bing Shopping permitem ver pechinchas de produtos. No Brasil, destaques importantes são os comparadores de preços Buscapé e Zoom.

2. Dispositivos móveis

Previsão: “As pessoas irão usar pequenos dispositivos para se manterem constantemente em contato e fazerem negócios eletronicamente, de onde quer que estiverem. Elas poderão, ainda, ler notícias, ver voos reservados, obter informações sobre mercados financeiros e fazer praticamente tudo nesses dispositivos.”

O que existe hoje: smartphones, smartwatches, alto-falantes como o Amazon Echo e até óculos de realidade aumentada, como o HoloLens, que oferecem aos usuários uma maneira de ter informações à mão em todos os momentos.

3. Pagamentos instantâneos, financiamento on-line e melhores cuidados de saúde pela web

Previsão: “Será possível pagar contas, cuidar das finanças e se comunicar com os profissionais de saúde pela internet.”

O que existe hoje: a tecnologia ainda não mudou os serviços de saúde da mesma forma como o fez com o transporte (por meio do Uber), mas muitos sites de convênios e serviços médicos buscam facilitar a localização de um profissional e fazer o agendamento. Startups têm tentado mudar (com relativo sucesso) o conceito de consultório médico com assinaturas mensais para assistência médica on-line e com base em dados. Além disso, também é possível fazer pagamentos facilmente por meio de sites e aplicativos como o PayPal e serviços como o Nubank, por exemplo.

4. Assistentes pessoais e internet das coisas

Previsão: “Assistentes pessoais serão desenvolvidos. Eles conectarão e sincronizarão todos os dispositivos do usuário de maneira inteligente, seja em casa, seja no escritório, e permitirão a troca de dados. O dispositivo verificará o e-mail e, em seguida, apresentará automaticamente as informações importantes. Quando for ao supermercado, será possível dizer quais receitas quer preparar para que o sistema crie uma lista dos ingredientes necessários. Além disso, ele irá informar todos os dispositivos do usuário sobre as compras e a agenda, para que eles se ajustem automaticamente.”

O que existe hoje: assistentes de voz virtual, como o Google Assistant e o Amazon Alexa, já se movem nessa direção e oferecem uma maneira personalizada de obter informações apenas perguntando em voz alta. Enquanto isso, dispositivos inteligentes (como o termostato principal da Nest) coletam dados de rotinas diárias e ajustam automaticamente a temperatura da casa.

5. Monitoramento residencial on-line

Previsão: “O constante fluxo de vídeo de uma casa se tornará comum e até avisará o usuário remotamente quando alguém o visitar e ele não estiver em casa.”

O que existe hoje: isso é cada vez mais comum — empresas como a Canary, a Amazon’s Ring, a Netgear e Nest, que é prima do Google, têm câmeras que pode visualizar o feed do telefone e enviam alertas quando há alguém na frente da câmera da porta da casa.

6. Mídias sociais

Previsão: “Sites privados para amigos e familiares serão comuns e permitirão que os participantes conversem, interajam e planejem eventos.”

O que existe hoje: ‘Sites privados’ não aconteceram, mas o Facebook, o WhatsApp, o Instagram, o Snapchat, o Line, o Slack e muitos outros aplicativos oferecem uma maneira fácil de manter contato com grupos grandes e pequenos.

7. Ofertas promocionais automatizadas

Previsão: “Haverá softwares que sabem quando o usuário reservou uma viagem e usam essa informação para recomendar atividades no destino. Eles vão sugerir descontos, ofertas e preços mais baixos para tudo aquilo que o viajante deseja fazer.”

O que existe hoje: sites de viagens, como Expedia, Kayak, Trivago e outros indicam ofertas com base em dados de compra anteriores do usuário. O Google e o Facebook apresentam anúncios promocionais com base na localização e nos interesses do usuário. O Airbnb, que permite hospedagem em residências em vez de hotéis, oferece passeios especializadas no destino para que o visitante viva como um morador local.

8. Sites de discussão de esportes ao vivo

Previsão: “Enquanto o espectador assiste a uma competição esportiva na televisão, os serviços permitirão que ele discuta a partida ao vivo e participe de concursos para votar em quem acha que vai ganhar.”

O que existe hoje: o Facebook e o Twitter permitem que os fãs de esportes discutam as partidas. As duas redes sociais já até se interessaram em transmitir esportes: o Facebook exibiu jogos da MLB, enquanto o Twitter transmitia partidas selecionadas da NFL e da MLS.

9. Publicidade inteligente

Previsão: “Os dispositivos terão publicidade inteligente: eles conhecerão as tendências de compra do consumidor e exibirão anúncios personalizados de acordo com suas preferências.”

O que existe hoje: basta olhar os anúncios no Facebook, no Instagram ou no Google para perceber que a publicidade on-line depende da capacidade desses serviços de segmentar anúncios e, assim, torná-lo personalizados para interesses e demografias específicos.

10. Links para sites em transmissões ao vivo na TV

Previsão: “A transmissão televisiva incluirá links para websites e conteúdos relevantes que complementam o que a audiência está assistindo.”

O que existe hoje: quase todos os comerciais hoje têm texto que pede que o espectador vá a um site, acompanhe a empresa no Twitter ou digitalize um código QR. É raro ver uma transmissão sem um site vinculado. Nas smart TVs, essa função é acessada pelos botões coloridos.

11. Fóruns de discussão on-line

Previsão: “Residentes de uma cidade ou país poderão ter discussões na internet sobre questões que os afetam, como política local, planejamento urbano ou segurança.”

O que existe hoje: além do que o Facebook e o Twitter oferecem em termos de discussão política, vários aplicativos têm o objetivo de ajudar os moradores a se conectarem uns com os outros e discutirem questões locais. No Brasil, por exemplo, existe o Cidadera, plataforma que permite que qualquer pessoa aponte problemas — como buracos nas ruas, entulho e falta de iluminação.

12. Sites on-line baseados em interesses

Previsão: “As comunidades on-line não serão influenciadas por sua localização, mas sim por seu interesse.”

O que existe hoje: os tipos de sites de notícias e as comunidades on-line se concentram em tópicos únicos. Muitos se expandiram para incluir verticais separados e oferecer cobertura mais detalhada sobre determinados tópicos. O Reddit é um ótimo exemplo de site dividido em subgrupos — os “subreddits” —, que se concentram em interesses e não em quem se conhece ou onde se está.

13. Software de gerenciamento de projetos

Previsão: “Os gerentes de projeto que quiserem montar uma equipe poderão, on-line, descrever o projeto para receber recomendações de profissionais disponíveis que atendam às suas necessidades.”

O que existe hoje: toneladas de software de fluxo de trabalho no espaço corporativo, como Slack, Asana e Trello, já revolucionam a forma como as pessoas recrutam, formam equipes e atribuem trabalho a outros. Enquanto isso, empresas como Fiverr e Gigster ajudam a conectar especialistas e pequenas empresas com o talento criativo de que precisam para um projeto.

14. Recrutamento on-line

Previsão: “Quem estiver à procura de trabalho, poderá encontrar oportunidades on-line ao declarar seus interesses, suas necessidades e suas habilidades especializadas.”

O que existe hoje: sites como o LinkedIn — agora, uma subsidiária da Microsoft — permitem que os usuários enviem seus currículos e encontrem empregos com base em interesses e necessidades. Além disso, os recrutadores podem pesquisar com base em habilidades específicas.

15. Software para comunidades de negócios

Previsão: “As empresas poderão encontrar trabalho on-line — um projeto de construção, uma produção cinematográfica ou uma campanha publicitária. Isso será possível tanto para grandes organizações que querem terceirizar trabalhos, como para aquelas que procuram novos clientes e as que não têm um fornecedor para determinado serviço.”

O que existe hoje: não há um espaço único para empresas encontrarem trabalho. No entanto, muitos serviços, chamados de “economia gig”, como Upwork e Fiverr, permitem que freelancers e pequenas empresas encontrem clientes. Enquanto isso, no Brasil, o GetNinjas é um dos locais favoritos para pequenas empresas se conectarem umas com as outras e encontrarem projetos.

Fone: Olhar Digital

Compartilhe este post